A BIBLIOTECA é um espaço dedicado à crítica literária, Cultura e Arte. De forma simples e despretensiosa,  apresentam-se opiniões construtivas sobre obras literárias e partilham-se também textos de ficção, crónica e poesia.

 Pretende-se que A Biblioteca seja uma comunidade artística, onde escritores, poetas, artistas plásticos, músicos, pessoas que gostem de arte, possam partilhar as suas ideias. 

 As temáticas são variadas, não só de autores clássicos, contemporâneos, como também de jovens autores em início de carreira.

 Francisco Sousa Faria da Silva 


De sonhar ninguém se cansa, porque sonhar é esquecer, e esquecer não pesa e é um sono sem sonhos em que estamos despertos. 

Fernando Pessoa

Destaques

A foto mais recente de Arte Urbana foi tirada em Águeda, distrito de Aveiro. 


Era uma vez... em Hollywood traz de volta a verdadeira essência da arte cinematográfica. Quentin Tarantino não é só um grande realizador como também um escritor notável. E como já é habitual, é a forma como trata as suas personagens que cativa o espetador. A tudo isto juntam-se um grupo de atores de topo.

Crítica Literária

(últimas análises)

 Destino Pesadelo! é um livro juvenil da autora belga Gudule, pseudónimo de Anne Liger-Belair, escritora dos géneros fantástico e terror, adaptados às audiências juvenis, bem ao estilo de Arrepios de R. L. Stine. (continuar a ler)

"A Sister's Promise" is a great adventure book. It reminded me the old pulp adventure magazine stories and movies. But this one has an unconditional contemporary feeling, which is quite good. (more)


 Esta coletânea de histórias ilustra de forma perfeita os meandros da sociedade americana da década de 50, pré e durante o American Dream.

 O que liga estas narrativas é precisamente a alienação das personagens, tão reais que o leitor consegue sentir vincadamente a sua solidão, as dores da alma e as frustrações.  (continuar a ler)

 O Corsário Negro é considerado a obra-prima do escritor italiano Emílio Salgari. A esta obra podemos também anexar a sua conclusão, A Rainha das Caraíbas

 A escrita é muito simples e direta, longe das longas descrições e parêntesis de Alexandre Dumas ou de Walter Scott, dois mestres no romance de aventuras. (continuar a ler)